Salomão, Kaiuca & Abrahão

Questionado ato do CNJ sobre plantões judiciários no TJDFT
Supremo Tribunal Federal
 
 
17/10/2013

O presidente do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) questionou ato do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que determinou a anulação do artigo 70, parágrafo 3º, do Provimento Geral da Corregedoria do TJDFT, sobre a regulamentação de plantões judiciários de primeira instância. A questão chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio do Mandado de Segurança (MS) 32462 impetrado, com pedido de medida liminar, o qual será relatado pelo ministro Roberto Barroso.

O caso

Três juízes substitutos questionaram no CNJ a norma do TJDFT que, segundo alegaram, tem imposto o exercício do plantão judiciário da magistratura de primeiro grau apenas aos juízes substitutos, sustentando que não se poderia fazer distinção entre titulares e substitutos. O pedido foi apresentado ao CNJ por meio de um pedido de providências.

Ao decidir pela nulidade da norma, o conselho assentou que “não compete ao tribunal local, com base unicamente no critério da substitutividade do juiz, determinar esse destacamento de parte dos magistrados para o exercício da função de juiz plantonista, em detrimento injustificado de parte dos membros da carreira”.

Argumentação

A Advocacia-Geral da União (AGU), que representa o presidente do TJDFT no mandado de segurança, ressaltou que a Associação dos Magistrados do Distrito Federal e Territórios (AMAGIS-DF) – entidade que representa os juízes do TJDFT – manifestou-se pelo indeferimento do pedido de providências, tendo em vista condição de terceira interessada regulamente admitida no processo.

A AGU também alega ser inverídica a informação de que o Tribunal de Justiça designaria apenas juízes substitutos para exercício de plantões judiciários. “O TJDFT designa, também, juízes titulares para o exercício de tal mister”, afirma. Acrescenta que os juízes titulares, ocupantes dos juizados mencionados no artigo 70, parágrafo 3º, do Provimento, também desempenham atividades em plantões judiciários noturnos nos dias de expediente forense. “Resta comprovado, então, que os requerentes, talvez por desconhecerem o funcionamento do Tribunal a que pertencem, induziram o impetrado [CNJ] a erro, fazendo com que este admitisse como verdadeira uma premissa equivocada”, argumenta a AGU.

“A opção adotada pelo TJDFT quanto à escala de plantões judiciários – tomada em estrito exercício de mínima autonomia administrativa – não levou em consideração “unicamente” o critério da substitutividade do juiz, sopesando-se também, outros parâmetros, como economicidade e a eficiência dos serviços prestados, bem como às peculiaridade do DF”, explica, ressaltando que o atual modo de funcionamento dos plantões tem atendido de maneira muito satisfatória à população.

Por essas razões, o presidente do TJDFT pede a concessão de medida liminar, em caráter de urgência, a fim de que sejam suspensos os efeitos da decisão do CNJ que determinou a anulação o artigo 70, parágrafo 3º, do Provimento Geral da Corregedoria do TJDFT. No mérito, requer a concessão definitiva da ordem.

EC/AD

URL: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=251060

 
« Voltar
 
Salomão, Kaiuca & Abrahão - Sociedade de Advogados
Rua São José, 70 - 4º andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ
+ 55 21 3212-6400
contato@skaadv.com.br
Termos de uso
Política de Privacidade
Webmail